Início Notícia Bolsonaro quer autorizar GLO para reintegração de posse no campo

Bolsonaro quer autorizar GLO para reintegração de posse no campo

O presidente Jair Bolsonaro disse nesta segunda-feira (25) que deseja enviar ao Congresso Nacional um Projeto de Lei para permitir ações de Garantia da Lei e da Ordem (GLO) para reintegração de posse no campo.

Segundo Bolsonaro, a ideia é que o próprio presidente possa determinar a ação após uma decisão da Justiça para retomar o controle da propriedade rural.

“Como sempre os governadores protelam para cumprir a decisão judicial, quase sempre, quase como regra, pode ser o governador, o próprio presidente, pelo nosso projeto, a criar a ‘GLO Rural’

Bolsonaro disse mais de uma vez que a medida não será imposta, pois passará por análise do Congresso. “Se o Parlamento assim achar que deve ser tratada a propriedade privada, eles aprovam. Se acha que não vale nada, daí não aprova”, disse.

“A bancada ruralista, deve ter uns 200 parlamentares, todos vão aprovar”, estimou.

Excludente de ilicitude

Bolsonaro indicou que foi uma resposta a possíveis protestos o envio de projeto de lei ao Congresso, na semana passada, sobre garantia de excludente de ilicitude para agentes que participam de ações de GLO. “Você tem de ter capacidade de se antecipar a problemas”, afirmou.

O excludente de ilicitude ameniza e até isenta a pena de agentes que, por exemplo, matam em serviço. “Acabou a missão, morreu alguém, sempre a culpa é do militar. O militar vai responder a um processo. Quem sabe até ser preso por causa disso. Não é justo”, disse Bolsonaro.

“O que esses marginais, terroristas têm de entender é o seguinte: se o presidente baixar GLO, vai para outro Estado, ou vai para casa. Não vai ficar na rua mais praticando atos terroristas, depredando ônibus e ameaçando vida de inocentes”, declarou o presidente.

Bolsonaro disse que “raramente” irá assinar ações de GLO se o Congresso não aprovar o excludente de ilicitude. “GLO não é uma ação social, chegar com flores na mão. É para chegar preparado para acabar com a bagunça.”

O texto ressuscita o chamado excludente de ilicitude que a Câmara dos Deputados já rejeitou por duas vezes este ano, sob o argumento que seria uma espécie de “licença para matar”.

Para especialistas, o projeto enviado na última semana é vago e pode ser usado em casos que a GLO for convocada para reprimir manifestações.

“Não é carta para matar ninguém. É carta branca para o policial não morrer e fazer cumprir a lei”, ponderou Bolsonaro.

*Com informações do Estadão Conteúdo 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Must Read

Chega a 900 número de localidades atingidas por óleo no Nordeste, RJ e ES

O número de localidades atingidas por óleo continua aumentando e chegou a 900, segundo um balanço divulgado neste domingo (8) pelo Instituto Brasileiro do Meio...

Tumor tem ‘redução expressiva’ e Covas passará por mais 5 sessões de quimioterapia

O câncer do prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), teve uma “redução expressiva” após três sessões de quimioterapia, resultado que fez a...

Bolsonaro diz que aumento da carne é ‘natural’, mas preço vai diminuir

Em uma transmissão nas redes sociais nesta segunda-feira (9), o presidente Jair Bolsonaro atribuiu o aumento no preço da carne no mercado brasileiro à...

Família de Gugu fará campanha para incentivar doação de órgãos no Brasil

A família de Gugu Liberato estuda a criação de uma campanha para incentivar a doação de órgãos no Brasil, informou a assessoria do apresentador...

Marcelo Odebrecht diz que Lula pediu construção de projeto em Cuba: ‘Único país que houve atuação do governo’

Na primeira entrevista desde que deixou a prisão, em dezembro de 2017, para cumprir regime domiciliar com o uso de tornozeleira eletrônica,...

Selecione uma estação Wind